Revelado o possível motivo da Warner não ter adiado Liga da Justiça

Liga da Justiça já foi lançado nas telonas, o sucesso vem sendo considerável, e tudo mais. E já é sabido pelos fãs que Joss Whedon assumiu a direção da produção após uma tragédia na família de Zack Snyder, que era o diretor do longa até então. Ok, até aqui nada novo.

O que também não deve ser tão novidade é que o novo diretor não teve tanto tempo para cuidar do trabalho, e por consequência muita coisa foi cortada na edição final sem mais nem menos, resultando no que muitos consideram como um “Frankenstein cinematográfico”.

imagem do filme Liga da Justiça

Liga da Justiça pode ter saído recentemente, mas já é alvo de críticas por ter sido finalizado as pressas

Porém, o site The Wrap revelou de forma exclusiva como Liga da Justiça acabou saindo assim. Para muitos, a solução era simples: deixar que Zack Snyder lidasse com seu luto e depois deixar que o mesmo retomasse o filme ao seu tempo. Ou mesmo como o Amigos do Fórum citou: o diretor usaria o trabalho em Liga da Justiça como refúgio para lidar com seu problema. Certo?

Para Toby Emerich e Kevin Tsujihara (presidente e CEO da Warner, respectivamente), não é bem assim. Segundo o que o The Wrap apurou, a dupla decidiu que Liga da Justiça sairia agora em 2017 porque assim eles “reteriam o bônus salarial” do estúdio antes da fusão entre Time Warner e AT&T já que, caso o filme fosse lançado em 2018, eles só receberiam o tal bônus ao final do ano, e até lá “eles poderiam não estar mais no estúdio“.

Zack Snyder, diretor de Liga da Justiça

Zack Snyder deu um tempo na direção de Liga da Justiça após a morte da filha em março de 2017, com Joss Whedon tendo assumido a produção a partir de então

Isso resultou na pós-produção apressada e numa grande falta de desenvolvimento para a equipe de Joss Whedonque precisou correr contra o tempo para trabalhar na refilmagem e lidar com a finalização do filme. Caso isso seja comprovado, só vai reforçar a opinião dos fãs contra o estúdio, já que a mesma não era tão favorável a Warner.

21 anos, jornalista, blogueiro, pintor de discos voadores. Gosta de música, de F1, de batata e de estudar (mas gosto mais de batata).